• Cuiabá, 17 de Maio - 00:00:00

O inconsciente

  • Artigo por Gonçalo Antunes de Barros Neto
  • 14/05/2024
  • 0 Comentários

            O inconsciente, esse enigma profundo que habita as profundezas da mente humana, tem sido objeto de fascinação e especulação ao longo da história da filosofia e da psicologia. Desde os primórdios da civilização, os pensadores têm se dedicado a explorar o inconsciente, buscando compreender suas complexidades e desvendar seus mistérios.

            Em sua obra "A Interpretação dos Sonhos", Sigmund Freud introduziu o conceito de inconsciente como uma dimensão fundamental da psique humana. Para Freud, o inconsciente é o depósito dos desejos reprimidos, medos e impulsos primitivos, cuja expressão pode se manifestar em sonhos, lapsos de linguagem e comportamentos aparentemente inexplicáveis. É dele: "Os sonhos são a estrada real para o inconsciente."

            Outro pensador influente, Carl Jung, expandiu a compreensão do inconsciente além dos limites individuais, introduzindo o conceito de "inconsciente coletivo". Para Jung, o inconsciente é um reservatório de memórias ancestrais e arquétipos universais que moldam a psique humana em um nível profundo e coletivo.

            Considerando a ênfase de Heidegger na temporalidade e na historicidade da existência humana, pode-se interpretar o inconsciente não como um reservatório de impulsos primitivos, como em Freud, mas como uma dimensão oculta da existência que influencia a maneira como todos se relacionam com o passado, o presente e o futuro. Também, Heidegger explorou a ideia de que a linguagem desempenha um papel fundamental na estruturação da experiência humana, razão pela qual, penso, se pode interpretar o inconsciente não apenas como um reservatório de conteúdos mentais reprimidos, mas também como uma dimensão da linguagem que opera abaixo do nível da consciência, influenciando sutilmente a compreensão e comunicação entre as pessoas.

            Nietzsche abordou indiretamente a questão do inconsciente em suas obras, especialmente em "Além do Bem e do Mal" e "A Genealogia da Moral". Embora não tenha usado o termo "inconsciente" da mesma maneira que Freud, criticou a noção de que existe uma mente racional e unificada por trás de nossas ações. É razoável considerar, a partir dele, que o “eu” é uma construção complexa e multifacetada, composta por uma variedade de impulsos, desejos e instintos em constante conflito. Essa visão do “eu” como um campo de batalha de forças internas pode sugerir uma compreensão do inconsciente como uma fonte de conflito e tensão dentro da psique humana.

            Esse notável filósofo alemão, explorou o papel do inconsciente na formação da identidade e da vontade humana. Em sua obra "Assim Falou Zaratustra", Nietzsche argumenta que a verdadeira natureza do “eu” reside na influência das convenções sociais e morais. Ele proclama: "Aquilo que não me mata, só me fortalece", sugerindo, em apertada síntese, que é através do confronto com os aspectos mais sombrios da psique que se encontra força e autenticidade.

            Além das reflexões desses pensadores, avanços na neurociência têm proporcionado percepções fascinantes sobre o funcionamento do cérebro e a natureza do inconsciente. Estudos sobre a plasticidade cerebral revelaram como as experiências passadas deixam marcas indeléveis na mente, moldando entendimentos e comportamentos.

            Ressalta-se que os filósofos da mente exploram, frequentemente, o inconsciente em relação a questões como livre arbítrio, autoconhecimento, tomada de decisão e interpretação da experiência humana. Por exemplo, enquanto alguns filósofos argumentam que a consciência é a fonte de toda atividade mental e o inconsciente desempenha um papel limitado, outros veem o inconsciente como uma força poderosa e influente que molda significativamente a experiência consciente.

            Explorar as profundezas do inconsciente é marcar encontro não apenas com medos e desejos mais profundos, mas soma-se a possibilidade de aproximação da verdade essencial de quem se “é” e do significado da própria existência.

É por aí...

 

Gonçalo Antunes de Barros Neto (Saíto) tem formação em Filosofia, Sociologia e Direito.



0 Comentários



    Ainda não há comentários.