• Cuiabá, 21 de Fevereiro - 00:00:00

Possíveis impactos na saúde mental dos participantes de Reality Shows: uma reflexão necessária


Vitor Friary

No mundo do entretenimento, os reality shows como o Big Brother Brasil (BBB) ocupam um lugar de destaque, atraindo milhões de telespectadores com a promessa de drama, emoção e, em alguns casos, controvérsias. No entanto, para os participantes, a experiência pode ir muito além do entretenimento, impactando profundamente sua saúde mental.

A história de Vanessa Lopes, influenciadora digital com mais de 30 milhões de seguidores, que sofreu uma crise de ansiedade bastante intensa durante sua participação no BBB, lança luz sobre os desafios psicológicos enfrentados por aqueles que vivem sob os holofotes 24 horas por dia, em confinamento. 

Vanessa, acostumada a uma realidade onde tinha controle sobre sua imagem e interações através das plataformas digitais, encontrou-se subitamente confinada em um ambiente totalmente diferente. A intensidade da experiência de confinamento, combinada com a pressão constante do julgamento público e a competição, pode ser avassaladora.

Juliette Freire, campeã do BBB 21, em uma entrevista reveladora, enfatizou que ninguém sai de um reality show da mesma forma que entrou. Suas palavras ressoam uma verdade incômoda: a participação nesses programas pode alterar fundamentalmente a percepção de si mesmo e dos outros, deixando marcas duradouras na saúde mental dos participantes. A constante exposição, a intensidade das relações interpessoais e a pressão para se manter em vantagem nos jogos do programa, podem ser um terreno fértil para ansiedade, depressão e outras aflições psicológicas.

O caso de Vanessa e as reflexões de Juliette apontam para a necessidade de uma discussão mais ampla sobre os impactos dos reality shows na saúde mental. É crucial reconhecer que qualquer pessoa pode estar vulnerável a crises psicológicas diante de eventos traumáticos, ambientes tóxicos ou exposição pública excessiva. Essa vulnerabilidade reforça a importância de cuidar da saúde mental, não apenas em momentos de crise, mas como uma prática contínua de bem-estar.

Quando alguém está enfrentando uma crise psicológica, a abordagem deve ser de empatia e suporte, não de julgamento ou sensacionalismo. O ideal é ouvir atentamente, oferecer apoio conforme necessário e encorajar a busca por ajuda profissional. A resposta dos colegas de Vanessa no reality show serve de lembrete de que a falta de compreensão e sensibilidade pode agravar a situação, e que ainda que tenhamos todas as boas intenções do mundo, precisamos de recursos profissionais para lidar com os desafios impostos à nossa saúde mental.

Os reality shows, enquanto forma de entretenimento, carregam uma responsabilidade significativa. Eles não apenas moldam a percepção pública sobre o comportamento humano e as relações sociais, mas também têm um impacto profundo na saúde mental dos participantes.

É imperativo que produtores, participantes e o público reconheçam os riscos associados e adotem uma postura mais consciente e cuidadosa em relação à saúde mental. Ao fazer isso, podemos apreciar o entretenimento que esses programas oferecem, enquanto protegemos o bem-estar daqueles que os tornam possíveis.

 

Vitor Friary é psicólogo com formação na Inglaterra, Mestre em Terapia Cognitiva e Mindfulness pela London Metropolitan  University, Pós Graduado pela Escola de Medicina da Universidade da Califórnia, para o Diário do Rio. 




Deixe um comentário

Campos obrigatórios são marcados com *

Nome:
Email:
Comentário: