• Cuiabá, 16 de Novembro - 00:00:00

Presidente da comissão tributária da OAB diz que emenda rejeitada provoca prejuízos


Da Redação - FocoCidade

O presidente da Comissão de Estudos Tributários e Defesa do Contribuinte, Carlos Roberto de Cunto Montenegro afirma que emenda rejeitada por vereadores nesta semana causará prejuízos ao contribuinte cuiabano. Isso porque segundo ele, a alteração no projeto que trata do sistema tributário do município era de fundamental importância aos profissionais da advocacia e contabilidade.

A emenda foi apresentada pelo vereador Diego Guimarães (Progressistas) e sugerida pela comissão da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional de Mato Grosso (OAB-MT). A proposta assegurava que os profissionais representantes dos contribuintes, tivessem acesso especial ao sistema tributário para consulta dos autos, protocolo de defesas, recursos e petições.

Na oposição, Diego pontua que a emenda foi rejeitada por orientação do líder do Governo, vereador Luís Cláudio. Montenegro explica que é direito do contribuinte ser defendido por um advogado ou contador e a pessoa que promove a defesa em nome de um terceiro teria que ter amplo acesso ao processo. "Ao se privar esse acesso, limitando-se somente ao contribuinte ele é obrigado a passar uma senha pessoal para um terceiro, e dá acesso a todas as suas informações fiscais e isso não é razoável. Os profissionais ao serem privados desse direito deverão entrar com ações judiciais. Já que a Câmara não aprovou essa emenda, há um prejuízo aos profissionais". 

"No mesmo projeto foi criada a taxação dos serviços de transporte contratados por intermédio de aplicativos (Uber/99 taxi). A proposta estabelece a aplicação da taxa de 2% de Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN). Além disso, também será criada uma cobrança anual de encargo no valor de R$ 189, 00 como já acontece com os taxistas", assinalou o parlamentar.

Diego Guimarães votou contra a criação da taxação e externou sua crítica à postura dos vereadores que votaram contra a emenda que não alterava de forma prejudicial o projeto do Executivo. De acordo com ele, "os parlamentares estão impedindo que os profissionais de contabilidade e direito desempenhem seu trabalho de forma adequada".

 

Com Assessoria