• Cuiabá, 12 de Novembro - 00:00:00

Metade dos eleitos no Congresso se declara político profissional


CONGRESSO EM FOCO

Embora tenha registrado o maior índice de renovação dos últimos 20 anos, a nova Câmara continuará a ser ocupada na próxima legislatura principalmente por políticos profissionais. Dos 513 eleitos, 257 declararam à Justiça eleitoral ter como ocupação os cargos de deputado (236), senador (4) ou vereador (17).

Em segundo lugar aparecem aqueles que se apresentam como empresários, com 51 deputados eleitos. Os advogados vêm em terceiro lugar, com 39 nomes, seguidos por servidores públicos, com 20, e médicos, com 19. A nova Câmara será composta, ainda, por 17 professores, 14 administradores, 13 jornalistas, 8 policiais e 5 militares, entre outros. Na comparação com 2014, caiu o número de advogados (eram 44) e médicos (eram 29) e subiu o de empresários (eram 42). 

A eleição foi frustrante para os sete deputados que acumulavam mais anos de Congresso e tinham na Praça dos Poderes seu endereço fixo. Este será o último ano do decano da Câmara, Miro Teixeira (Rede-RJ), que se despede da Casa após tentar sem sucesso uma vaga no Senado ao término de 11º mandato. Há dez legislaturas como deputado, Simão Sessim (PP-RJ) não conseguiu se reeleger.

Sarney Filho (PV-MA) fracassou em sua tentativa de virar senador. Roberto Balestra (PP-GO), Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), Paes Landim (PTB-PI) e Jutahy Junior (PSDB-BA) não conseguiram o nono mandato. Com isso, Átila Lins (PP-AM), Átila Lira (PSB-PI) e Gonzaga Patriota (PSB-PE), que vão para a oitava legislatura, passam à condição de decanos.