• Cuiabá, 22 de Outrubro - 00:00:00

Mauro Mendes é eleito governador de Mato Grosso e anuncia medidas prioritárias


Sonia Fiori - Da Editoria

Com 58,71% dos votos válidos, considerando 98,58% de apuração, Mauro Mendes é eleito governador de Mato Grosso. Wellington Fagundes (PR), pontuou 19,6% e Pedro Taques (PSDB), 18,95%. Arthur Nogueira (Rede) somou 1,72% e Moisés Franz (PSOL), 1,2%. 

Pouco antes do resultado, por volta das 19h, Mauro Mendes, confirmou, no Centro de Eventos do Pantanal, o foco das ações no comando do Estado pautado em três pilares prioritários: resolução da crise na Saúde, concluir obras inacabadas e resolver o desafio do déficit orçamentário.

Disse que não analisou ainda possíveis integrantes de seu Governo, e que inicia agora a fase de formação da equipe de transição. 

Mendes disse que seu Governo, assim como ocorreu na prefeitura de Cuiabá, será pontuado de planejamento, acentuando ainda que a administração pública merece zelo e respeito - e não frase de efeito.

Destacou ainda que discutirá com o governador Pedro Taques, a fase de transição, de forma isenta, e sem "resquícios" de campanha. 

Mendes preferiu não comentar acerca da possibilidade de manter na sua gestão, secretários que fazem parte da atual administração.         

Uma de suas primeiras ações no comando do Estado será reduzir despesas, e pra isso, acentua o tom sobre corte de secretarias. O mesmo deve ocorrer em relação aos cargos comissionados, em percentual, após passar por estudo.

Mesmo no período da campanha, Mendes pontuava as dificuldades que deve encontrar assim que assumir a administração de Mato Grosso. Considerando déficit da ordem de mais de R$ 3 bilhões nos cofres do Estado, ele antecipa que o equilíbrio fiscal e financeiro deverá ser consolidado após o primeiro ano de mandato.

Ao lado de Mendes, o vice, Otaviano Pivetta (PDT) deve colaborar com os estudos sobre cortes na gestão pública estadual. Essa foi a dinâmica adotada por ele no período em que coordenou a equipe de transição do governador Pedro Taques, no final de 2014. A “linha dura” de Pivetta deve ser uma marca na gestão de Mauro Mendes.

Outros pontos começam a ser analisados, como em relação ao pedido que deverá chegar aos Poderes Constituídos e órgãos, como Ministério Público Estadual (MPE) e Tribunal de Contas do Estado (TCE), de “revisão orçamentária”. Em que pese a resistência, Mendes assinala entendimento de que o duodécimo precisa ser reavaliado para fazer frente a outras prioridades, caso da Saúde – que atravessa uma das piores crises – com atrasos em repasses, leia-se os municípios de Mato Grosso.

Temas polêmicos como o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), segundo Mendes, passarão por estudos e somente após análise do quadro, anunciará decisão sobre o projeto.