• Cuiabá, 22 de Outrubro - 00:00:00

Engajamento que vale ouro


Ivete Barros

Estamos a poucos dias das eleições que irão decidir os novos governantes estaduais e federais a dirigir o país. É inevitável, entretanto, a constatação de que a população brasileira parece estar absolutamente engajada neste pleito eleitoral – já que, recentemente, a pesquisa Datafolha divulgou uma estimativa de apenas 10% de votos brancos e nulos na disputa presidencial, por exemplo.

No último final de semana, a nação brasileira ainda presenciou dois atos cívicos de intensa reverberação e, sobretudo, participação política. Neste contexto, destaca-se também a atuação feminina que, independentemente do viés político, vem exercendo influência sobre as estimativas de voto e dando exemplo de auto-organização por meio das redes sociais.

Temos a forte a sensação de que o engajamento é um dos principais aspectos das eleições 2018, no entanto, essa deveria ser uma característica eminente a todos os períodos eleitorais.

A eleição é uma rica oportunidade de colocar em debate as questões latentes, de avaliar as ações que podem ser aprimoradas, de questionar determinadas condutas e, principalmente, de mudar e oxigenar o cenário político.

Uma urna, além de registrar numerais, tem o valioso poder de tornar possível o real exercício da democracia e de materializar a pluralidade característica do povo brasileiro.

É necessário reforçar que este é o momento de estudar a vida de cada um dos candidatos à política estadual e nacional – para que, durante os próximos quatro anos, colhamos os frutos de um país mais honesto e melhor gerido.

Para além das cores partidárias, precisamos dar valor ao processo eleitoral e à democracia. Por meio do voto individual e válido, iremos fortalecer os poderes que mantém o sistema democrático e dar sentido à flamula que apela por ordem e progresso.

O meu desejo é que o povo brasileiro usufrua de um governo eleito por uma sociedade consciente que, de fato, tenha participado do processo eleitoral e se envolvido com a política a ponto de saber perfeitamente o que se deve cobrar dos futuros gestores nos próximos anos. Vamos em frente, Brasil, com uma participação que valha ouro.

 

Ivete Barros é psicopedagoga e professora candidata a deputada estadual.