• Cuiabá, 16 de Dezembro - 00:00:00

“Quero ver quem faria melhor”, desafia Selma Arruda sobre gestão Taques


Foto: Assessoria  - Foto: Foto: Assessoria Foto: Assessoria
Da Redação - FocoCidade

A candidata ao Senado Selma Arruda (PSL) avaliou que o governador Pedro Taques (PSDB), candidato à reeleição, fez uma administração voltada para resolver problemas herdados pela gestão anterior e, ao mesmo tempo, focada nos investimentos em áreas sociais e por isso deve continuar à frente do Executivo estadual.

Disse que Pedro Taques era a pessoa certa para governar o Estado diante do momento que Mato Grosso vivia. “Quero ver quem faria melhor do que Pedro fez”, desafiou.

Outro apontamento feito pela ex-juíza é da que o Brasil passou por uma grave recessão econômica e que isso prejudicou os investimentos em todo o país, afetando também Mato Grosso. “Pedro Taques é uma pessoa maravilhosa. Ele pegou esse Estado no pior momento, não só porque estávamos vivendo uma crise econômica nacional, como todos sabem, mas ele estava herdando uma herança de corrupção de uma quadrilha que assaltou esse Estado e que eu ajudei a prender”, disse a candidata durante a convenção partidária do PSDB, no último fim de semana.

Uma das linhas de campanha da candidata é o combate à corrupção. Ela promete apresentar matérias no Senado que aperfeiçoarão a legislação vigente para esse tema. Selma era magistrada da sétima vara criminal de Cuiabá e foi responsável pela prisão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB).

A estimativa é de que foi desviado R$ 1 bilhão de reais dos cofres de Mato Grosso na gestão de Silval. O Governo Pedro Taques ressalta que "contribuiu com as investigações quando, no início do mandato, em 2015, determinou auditorias em contratos. O resultado foi encaminhado às instituições responsáveis para investigação e responsabilização".

Além da linha de atuação no combate à corrupção, Selma Arruda afirmou que também irá trabalhar no Senado no combate à sonegação fiscal e pelo equilíbrio na distribuição de renda. Para a candidata, Mato Grosso é o celeiro do país e ajuda muito o Brasil na balança comercial e precisa receber de volta investimentos para a melhoria social do Estado.

“Minha missão no Senado vai ser combater a esse tipo de quadrilha que rouba do cidadão brasileiro a dignidade, o direito à vida, ao emprego, a saúde. Mas também vou trabalhar no combate à sonegação fiscal e pelo equilíbrio da distribuição de renda. Quero que Mato Grosso receba de volta da União a contrapartida pelo que contribuímos com o país”, finalizou.

 

Com Assessoria