• Cuiabá, 21 de Junho - 00:00:00

'Prefeitos podem transformar o Estado no modelo de gestão inovadora', afirma Sol Kreidloro


 - Foto: Sol Kreidloro, integrante da Associação Brasileira de Municípios (ABM)
Sonia Fiori - Da Editoria

Integrante da Associação Brasileira de Municípios (ABM), uma das idealizadoras do projeto Prefeitos do Futuro, a ex-prefeita de Nova Bandeirantes, Sol Kreidloro expõe nesta Entrevista da Semana, ao FocoCidade, o cenário que envolve as gestões públicas num viés onde a escolha da plataforma administrativa pode significar a diferença nos resultados.

Sol reconhece o campo de extremo desafio de prefeitos para fazer frente às adversidades de caixas engessados, mas alerta para a urgência de se comprometer com novas metodologias, sendo inserido nesse quadro a dinâmica da interligação com novos canais de reação econômica, leia-se a política do mercado internacional na captação de recursos.

Para ela, a fórmula eficaz de um prefeito do futuro está atrelada intrinsecamente à disposição do gestor em se conectar com instrumentos inovadores além de traçar um caminho passando pela humanização de ações.

O dilema dos prefeitos, de escassez profunda de verba na máquina pública, não pode ter sua panaceia depositada sobre o Governo Federal, em que pese a importância de fontes como o Fundo de Participação dos Municípios (FPM), destaca Sol ao lembrar que cabe aos gestores buscar formas capazes de superar obstáculos como os investimentos no suporte técnico.  

“Não existe fórmula mágica para o sucesso”, indica ao frisar a necessidade de “amplo conhecimento”.

Confira a entrevista na íntegra:

Como ex-prefeita, e acompanhando todas as movimentações dos prefeitos em nível nacional na batalha pela revisão e justa distribuição dos recursos no bolo da União, acredita em resultados práticos a partir da Marcha em Defesa dos Municípios?

A marcha em defesa dos municípios sempre se destaca pela força e pelo engajamento dos prefeitos e demais políticos! Acredito que a política no Brasil está em plena mudança de era, devido a isso não há uma previsão se os municípios serão atendidos nesta luta que já está com a idade de uma “balzaquiana". 

Quais as maiores dificuldades atravessadas por gestores públicos no cenário de confecção de projeto. No aspecto geral as prefeituras de Mato Grosso, por exemplo, estão preparadas em relação ao amparo técnico? 

Mato Grosso tem sim um quadro técnico de altíssimo profissionalismo e capacidade de criação e desenvolvimento. Alguns gestores têm dificuldades em identificar e contratar esses profissionais por lhes faltar habilidades de liderar e gerir equipes. Sempre ouço a frase, “eu já mandei fazer o projeto tal ”, mas há muito tempo que gerir não é mandar e sim inspirar! Claro que temos diversos gestores que são motivadores, inspiradores e líderes, e aos que desejam melhorar seus projetos e suas habilidades de confecção e desenvolvimento de projetos aconselho a desenvolverem suas habilidades de contratar esses profissionais e principalmente desenvolver em si a habilidade de gerir uma equipe capaz de realizar os projetos necessários para o progresso de seu município. 

Existe muita reclamação sobre a burocracia do sistema federal. Você concorda?

Concordo que há muita burocracia desnecessária e muitos sistemas federais que não estão interligados. Mas isso é uma questão de tempo, pois com as inúmeras inovações tecnológicas, como o Big Data, Blockchain, inteligência artificial e tantas outras tecnologias que facilitam o acesso remoto e solucionam problemas de transparência e interação, a desburocratização está mais próxima do que imaginamos. As reclamações podem ser também por falta de conhecimento. Existe uma ilusão de que basta ter projeto que há recursos em Brasília e isso não é uma regra. Existe o jogo político e nesta área o bom networking e bons relacionamentos político e partidário são imprescindíveis. 

Existe uma ilusão de que basta ter projeto que há recursos em Brasília e isso não é uma regra.

Quais as alternativas para driblar os obstáculos do caminho para assegurar a validação de um convênio entre município e Governo Federal de forma célere?

Um gestor com visão de futuro não dribla os obstáculos, ele constrói sua autoridade e cresce e faz destes obstáculos a escada que o levará à aprovação e celebração desses convênios. 

Quais bandeiras a ABM levará à Marcha em Brasília? 

O presidente da Associação Brasileira dos Municípios (ABM), prefeito de São Leopoldo (RS) Ary Vanazzi vai participar nos dias 22 e 23 de maio, da Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, que deve reunir representantes de todo o país. Vanazzi vai levar a pauta da entidade em defesa da recuperação financeira das Prefeituras, especialmente sobre o Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Também a defesa do Fundeb, que deve ser extinto em 2020, será bandeira levada pela ABM na Marcha.

Também a defesa do Fundeb, que deve ser extinto em 2020, será bandeira levada pela ABM na Marcha.

Do seu ponto de vista, a política municipalista é ainda o “patinho feio” na seara da definição de ações do Governo Federal?  

Acreditar que o governo federal possa tirar de seu "prato" o bife de filé e entregar para os municípios é ilusão. 

Você faz parte do projeto “prefeitos do futuro”. Como funciona essa tendência e resultados já garantidos no âmbito dos avanços?

O Professor de MBA Alexandre Souza e eu idealizamos o projeto com o objetivo de reunir prefeitos de todo o país com o propósito de apresentar as mais recentes tecnologias de mobilidade urbana, cidades inteligentes, ecossistemas tecnológicos e empresariais, captação de recursos no Brasil e no exterior, fontes alternativas de receita, combate à sonegação fiscal, novas técnicas de influência e neuro persuasão, melhoria dos serviços prestados à população, ferramentas para o desenvolvimento de estratégias e gestão altamente eficazes, tendências econômicas e sociais, futurismo e desenvolvimento humano. Houve o primeiro evento em fevereiro de 2018 e os resultados nos municípios é notório com mais projetos aprovados, com aberturas de empresas nestes municípios e melhoria da gestão num âmbito geral. Muitos outros projetos já estão em andamento e mais informações podem ser acessadas no site www.prefeitosdofuturo.com.br.

A relação entre gestões públicas municipais e o mercado globalizado, com elo com países como a China, pode assegurar a transformação da administração a partir de implementação de novos projetos que garantam mais economia?

A única certeza que temos é que as parcerias público- privadas são importantes para o desenvolvimento e  uma das alternativas é buscar projetos e parceiros que possam financiar isso. A China é um país que tem formado grupos de investidores específicos para projetos com Brasil. Há diversos empresários brasileiros que estão se capacitando e se especializando muito para atender as demandas públicas e encontraram dificuldades em financiamento com bancos no Brasil ou pela burocracia ou pelos juros que são abusivos, e encontram nos investidores chineses ou de outros países, o apoio que necessitam para seus projetos. Essas parcerias serão cada vez mais comuns no Brasil. O que é muito bom. 

Em Mato Grosso, qual o nível de integração de prefeitos nessa nova concepção de gestão pública? 

O Mato Grosso foi o estado com maior engajamento no projeto até o momento. Se os gestores praticarem algumas das diversas ferramentas que lhes foram apresentadas, podem transformar o estado no modelo de gestão inovadora no Brasil. 

Em sua atuação, você trata da humanização na política. Como se dá isso na prática?

Estamos passando por essa mudança de era, e muitos não estão atentos para isso, pois tudo o que pode ser programável é realizado por computadores e será feito. E as gestões públicas também. E minha experiência de prefeita me deixou um grande aprendizado, as habilidades humanas não são programáveis. E podemos potencializar essas habilidades e ter uma missão, um propósito claro para o mandato e deixar legados que marcam a vida dos cidadãos também. Os prefeitos são assediados todos os dias por pessoas e empresas, que trazem coisas importantes e outras que não se conectam com o propósito de suas gestões e faz com que o prefeito ou prefeita perca muito tempo e às vezes percam o mandato por não saberem identificar essa diferença. O político humanizado tem muito mais habilidade de liderar, de gerir, de empatia, de criar, de inovar, ousar e principalmente influenciar todos para o propósito de seu mandato. 

O político humanizado tem muito mais habilidade de liderar.

Como descreveria uma “cidade inteligente” no que se refere à instituição de novos instrumentos de administração? E qual município do Estado está ou poderá ser remetido a esse perfil?

No Brasil algumas cidades estão em busca dessa identidade, mas não há uma referência de cidade, mas sim de sistemas que possam ser implantados para torná-la mais inteligente e humanizada.  Há diversos tipos de sistemas que melhoram a arrecadação municipal e não oneram o cidadão, por exemplo, há também transportes públicos inteligentes sendo implantados conforme o monitoramento de fluxo de pessoas, iluminação pública, ruas inteligentes, que utilizam sistemas com internet e rastreamento de vagas para estacionamento, aplicativos de segurança pública interligados, educação inovadora e startups públicas para criar junto com alunos as inovações e soluções para a cidade. Enfim, até eu acabar de responder esta pergunta milhares de novos produtos já foram criados para tornar as cidades mais inteligentes. 

Há diversos tipos de sistemas que melhoram a arrecadação municipal e não oneram o cidadão.

A escassez de recursos na gestão municipal pode ser superada com métodos inovadores como você observa. Mas percebe certa resistência de gestores em lidar com um mundo mais desafiador, de mudanças?

Sim, de um modo geral, ao iniciar um mandato o gestor é forçado a "fazer da forma que sempre foi feita porque é assim". E é natural do ser humano dar um passo para trás quando falamos de mudança e de inovação. Mas nada que alguns casos de sucesso de outras cidades, o estimule a inovar também. Só precisa ter a mentalidade preparada para receber e escolher a melhor forma de inovar na sua cidade. 

Só precisa ter a mentalidade preparada para receber e escolher a melhor forma de inovar na sua cidade. 

Qual sua receita para uma gestão pública de sucesso? 

Não existe uma fórmula mágica. Mas alguns ingredientes são: ter conhecimento amplo. Saber cada vez mais sobre a prefeitura, sobre os colaboradores e os cidadãos é fundamental para ter uma visão ampla e não ficar limitado a um setor específico. Para isso tem que saber ouvir as pessoas e aceitar feedbacks. Segundo, usar ferramentas de gestão inovadora. Estar atento às inovações sem aplicar é burrice. Aprender ensinar e aplicar as técnicas e fórmulas para melhorar a arrecadação, a aplicação de recursos e ainda monitorar os resultados simultaneamente é possível e hoje em dia é imprescindível. Terceiro, ser influente, persuasivo e inspirar as pessoas. Um gestor frustrado jamais terá uma gestão de sucesso. A gestão de sucesso tem a ver com o sucesso da pessoa do prefeito, da pessoa de sucesso que é a prefeita. Para isso o gestor tem que buscar aprender novas técnicas de desenvolvimento pessoal e  para a equipe. Precisa ter empatia. Valorizar as pessoas. Criar canais de relacionamentos onde possa interagir com a população. Criar canais de comunicação com outros gestores trocando informações que geram movimento e resultado. Na sequência, ter foco. Saber qual é o foco da sua gestão e buscar essa realização. Não desanimar, não se "contaminar" pelos que não tem objetividade. Se cercar de pessoas com capacidade de execução. Não perder tempo é fundamental, pois quatro anos passam rápido. Ter um planejamento para chegar ao resultado que almeja. Também é preciso ter amor, ordem e progresso! Em tempos de tanto ódio deflagrados em redes sociais, falar de amor parece bobagem. Mas o Brasil precisa de muito amor, as pessoas precisam de amor. Quanto mais amor você tem pela cidade e quanto mais demonstrar esse amor através de suas atitudes e ações e projetos, mais engajamento terá e quanto mais pessoas engajarem, mais pessoas serão impactadas. E o que determina o sucesso da gestão são as pessoas impactadas por ela. Hans Donner recentemente criou essa Bandeira do Brasil que eu já adotei. Como um bom designer Hans Donner disse que o arco da bandeira tem que estar inclinado para cima e significa desenvolvimento e a palavra amor tem que vir antes de ordem e progresso para que esses se desenvolvam em harmonia. 




0 Comentários



    Ainda não há comentários.