• Cuiabá, 19 de Junho - 00:00:00

'Pedro Taques tem as chaves do cofre e a caneta', destaca Lourembergue Alves


Da Redação - FocoCidade

Os altos índices de rejeição do governador Pedro Taques (PSDB) ferem o projeto de reeleição, colocam o chefe do Executivo estadual na linha tênue no jogo das alianças, mas podem ser revertidos.

Ao contextualizar essa “arranhadura” aos planos de Taques, o analista político Lourembergue Alves observa exemplos de políticos que atingidos pela alta rejeição, conseguiram driblar a nódoa e conquistar vitória nas urnas.

“Pedro Taques, ao contrário de 2014, é vidraça. E tomado por uma forte onde de desgastes. Tem um alto índice de rejeição. A rejeição alta impede o seu crescimento. E dependendo de como ela possa estar até a convenção, torna-se a sua reeleição muito difícil. Mas rejeição bastante alta também pode ser diminuída”, observa.

Um dos casos citados pelo analista político se refere ao ex-prefeito de Várzea Grande, Murilo Domingos, que acabou sendo beneficiado pela aversão popular à aliança construída pelos adversários à época da disputa municipal, além de outros fatores.

“Veja o caso do ex-prefeito de Várzea Grande, Murilo Domingos. As pesquisas diziam que sua rejeição ultrapassava a casa dos 60%. Tornava a sua reeleição impossível. Mas aconteceram alguns fatos novos, entre eles a desistência do candidato que liderava toda a pesquisa, somado também a resistência ao nome de Júlio Campos, em especial por parte do eleitorado jovem, residente no Centro e no Grande Cristo Rei. A situação se reverteu, e o prefeito Murilo Domingos foi reeleito.”

Lourembergue pontua outro exemplo: “a própria presidente Dilma tinha alto índice de rejeição em 2014 (não na mesma proporção do Murilo), mas igualmente foi reeleita. Agora mesmo, as pesquisas de intenção de votos para a presidência da República, apresentavam o Lula da Silva com 46% de rejeição, e este índice tendia a diminuir. Tanto que caiu para 44%”.

Em que pese o tempo ser curto, a menos de seis meses do pleito geral, os avanços no projeto de reeleição podem ser ampliados se Taques conseguir concretizar feitos da máquina pública.

“Portanto, índice percentual de rejeição, que impede o crescimento nas intenções de voto pelo candidato, pode também cair a um número considerável. Sobretudo se o governo Pedro Taques souber mostrar para a população algumas possibilidades de melhorias, assim como se pode visualizar na pavimentação de estradas, seu setor mais significativo. Ele também conta com o programa Pró-família e a Caravana de transformação. Programas que ajudam muita gente, mas não deixam de ser eleitoreiros. Resta pouco tempo. Mas nada é impossível. Principalmente quando se sabe que o Pedro Taques tem as chaves do cofre e a caneta. Isto pesa, e muito em campanha que tende a ser bastante fraca em termos de recursos oficiais.”




0 Comentários



    Ainda não há comentários.