Em nota, AMAM diz que promotor foi 'desagregador e leviano' - Foco Cidade
  • Cuiabá, 15 de Agosto - 00:00:00

Em nota, AMAM diz que promotor foi 'desagregador e leviano'


Da Redação - FocoCidade

A Associação Mato-grossense de Magistrados (AMAM), por meio de nota nesta terça-feira (13), se pronuncia oficialmente acerca de "manifestação" em grupo de WhatsApp pelo promotor de Justiça, César Danilo Ribeiro de Novais, que criticou o Judiciário do Estado. 

As críticas do promotor também geraram reação do Tribunal de Justiça, que no sábado (10), também divulgou nota assinada pelo presidente, desembargador Rui Ramos, em repúdio ao contexto que causa arranhões entre o Poder e o Ministério Público. 

No grupo de WhatsApp do FocoCidade, o presidente da AMAM, José Arimatéa, também proferiu comentário acerca do assunto na noite de sexta-feira (9), em resposta à pontuação do promotor: “Deus abençoe o MP, o Brasil precisa mesmo de um MP forte e robusto e moralmente acima de qualquer suspeita! Minha única preocupação é na esfera da botânica, pois o bambu cresce mais rápido que o Carvalho, mas nem de longe se comparam em firmeza, dureza e principalmente longevidade!!”   

Confira a nota da AMAM na íntegra:

"A Associação Mato-grossense de Magistrados (AMAM), no exercício do seu mister sócio-político e associativo, em resposta às palavras do promotor de justiça César Danilo Ribeiro de Novais em grupo de um aplicativo de mensagens instantâneas, manifesta seu repúdio ao ato desagregador e leviano e à deselegância e agressividade gratuita contidas nas palavras do membro do parquet.

Verdade seja dita! Não temos dúvida de que tenha falado o que pensa a respeito do Judiciário Mato-grossense e de seus Magistrados, “….pois a boca fala do que está cheio o coração…” (Evangelho segundo Mateus, 12:34), verificando-se, ademais, que de pronto foi aplaudido por seu outro Colega Marcelo Linhares, como se observa do print que veio a público, não retirando a gravidade de suas quase insanas palavras a nota pública que fez publicar para imputar responsabilidades àquele que tornou público seu ataque de tola vaidade.

Em verdade, em verdade, a superioridade moral autoatribuída pelo agressivo promotor de justiça nos parece em descompasso com suas próprias palavras e com o ato de seu colega que fez vazar o diálogo privado, o que acaba sendo algo extremamente lamentável, mesmo que do ponto de vista de uma ética interna corporis bem longe da anunciada superioridade.

Necessário, neste momento, nos lembrarmos da fraqueza intelectual e moral que às vezes marca a natureza humana, demonstrando estes atos que beiram à insanidade, seja do verborrágico promotor de justiça, seja do seu colega vazador, que o Ministério Público, tal qual todas as demais Instituições integradas por homens e mulheres, não está distante dessas fraquezas e precisa evoluir para um lugar que esteja pelo menos acima das vaidades e imperfeições inerentes ao ser humano.

Nós, Magistrados Mato-grossenses, lamentamos e ficamos estarrecidos diante de ataques sorrateiros e imerecidos vindos de agente público que, em tese, deve se submeter à obrigação legal e constitucional de: “II – zelar pelo prestígio da justiça, por suas prerrogativas e pela dignidade de suas funções…” (art. 43, da Lei Orgânica Nacional do Ministério Público).

A sociedade mato-grossense bem sabe que neste Estado há magistrados valorosos. Magistrados que, além de serem os mais produtivos do País, como constatou recentemente o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), estarão sempre prontos a dar de si o melhor para o bem comum, cuja moral e intelectualidade e, principalmente, autoestima, estão bem acima dessa moral superior e desse intelecto também superior propalada pelo promotor de justiça César Danilo Ribeiro de Novais.

De certo modo, a deselegância, agressividade e o aparente despreparo humanístico e intelectual pode ser o retrato fiel do caráter de sua Excelência Dr. César Danilo Ribeiro de Novais, “…pois cada árvore é conhecida pelos seus próprios frutos…” (Evangelho segundo Lucas, 6:44),  não sendo de todo despropositado lembrarmos ainda uma vez o cancioneiro popular: “quem tem o mel dá o mel, quem tem o fel dá o fel, quem nada tem nada dá!”

Por derradeiro, lamentamos mais que tudo termos de nos manifestar publicamente sobre tal malfadado incidente, reiterando que a Magistratura Mato-grossense nunca, jamais, foi dada ao confronto ou à desarmonia institucional com as demais Instituições que integram a Sistema de Justiça deste Estado de Mato Grosso".

ASSOCIAÇÃO MATO-GROSSENSE DE MAGISTRADOS (AMAM)




0 Comentários



    Ainda não há comentários.