• Cuiabá, 18 de Setembro - 00:00:00

Sachetti se filia ao PRB e pode levar partido à oposição de Taques


Sonia Fiori - Da Editoria

Numa versão à parte aos prognósticos até então considerados, o deputado federal Adilton Sachetti se filia no PRB, deixando para trás possibilidades fortes como o DEM de Jaime Campos e o PP do ministro da Agricultura, Blairo Maggi. A mudança de rumo pode atingir as articulações do projeto de reeleição do governador Pedro Taques (PSDB).

A filiação de Sachetti conta com as bençãos da nacional do partido para levar adiante o projeto de disputar o Senado, e ainda de contribuir para as discussões sobre o caminho da agremiação nas Eleições 2018 em Mato Grosso. 

Via assessoria, o parlamentar pontua que "ontem demos o primeiro passo para nossa filiação ao PRB. Conversamos com o presidente nacional, ministro Marcos Pereira, que nos convidou para fazer parte do projeto da sigla que vem crescendo a cada ano. Estamos animados com a mudança e certos de que, com muito esforço e trabalho, esse partido vai nos dar condições para viabilizar uma possível candidatura majoritária. Vamos continuar caminhando para um Mato Grosso e um Brasil melhor, agora no PRB".  

Sachetti mudou os planos após a decisão de Maggi, que é seu amigo, de não disputar o pleito geral neste ano, mas que não fecha as portas para os próximos embates. 

O alinhamento anterior do deputado federal estava sintonizado ao Democratas, e considerou o PP com a posição do ministro. Mas no novo cenário de "jogo zerado" e com as peças do tabuleiro político movimentando-se em formatações que ajustam as chapas majoritárias, Sachetti assegura no PRB o espaço ideal para implementar os planos.

A confirmação das mudanças devem gerar mudança também nos debates da sigla em Mato Grosso em relação ao projeto de reeleição do governador Pedro Taques. Um dos aliados, o secretário-chefe da Casa Civil, Max Russi, confirmou recentemente as malas prontas para o partido que tem na ex-senadora Serys Slhessarenko um de seus principais expoentes no Estado.

Na nacional, o entendimento é de que as discussões partem do princípio da construção de um projeto que pode não ser o de aliado da atual gestão.