• Cuiabá, 23 de Setembro - 00:00:00

Trabalho de Irmãs de Caridade pode ser conhecido em estandes do 32º Vinde e Vede


Foto: Assessoria  - Foto: Foto: Assessoria Foto: Assessoria
Da Assessoria

Presente em 14 países desde 1849, e, há mais de 80 anos no Brasil, a ordem das Irmãs Beneditinas da Divina Providência trabalha em prol dos mais pobres e necessitados, principalmente crianças desamparadas e que vivem à margem da sociedade. Em Cuiabá, quatro irmãs desta Congregação trabalham na formação de 120 meninas com idade entre oito a 16 anos, no bairro Pedra 90.

A história de trabalho das Irmãs Beneditinas é alicerçada no sacrifício, na doação, no amor, na oração e num grande espírito de fé, que tem suas raízes na história de suas fundadoras. “Madre Giustina e Madre Maria eram irmãs de sangue e perderam os pais durante a guerra em meados de 1845. Sozinhas e conhecedoras do sentimento de perda passaram a abrigar outras crianças órfãs”, conta Irmã Sônia Cruz.

Em Cuiabá, a Congregação também trabalha com crianças e encontra no dia-a-dia situações difíceis e que precisam de amparo imediato.  “Nós somos uma entidade filantrópica e através do projeto ‘Sonha Brasil’ acolhemos essas crianças, muitas têm famílias, porém passam boa parte do dia nas ruas, vulneráveis à prostituição, drogas e outros perigos que podem destruí-las”, detalha Irmã Sônia Cruz.

O projeto ‘Sonha Brasil” oferece aulas de dança, informática, ensino religioso, artesanato e karatê e se mantém com doações. O trabalho da Congregação das Irmãs Beneditinas da Divina Providência pode ser conhecido em um dos estandes do 32º Vinde e Vede, que encerra nesta terça-feira (13).

“Temos uma despesa mensal fixa de R$ 18 mil reais para manter a casa. Contamos com a ajuda de toda sociedade mato-grossense para continuar o trabalho. Quem quiser conhecer pela internet nosso trabalho pode acessar a página no facebook (www.facebook.com/Projeto-Sonha-Brasil-Cuiabá) ou ainda entrar em contato com Arquidiocese de Cuiabá e contribuir com esse sonho”, convida Irmã Sônia Cruz.

Também esta presente nos estandes do 32º Vinde e Vede a Congregação das Irmãs Agostinianas que trabalham em Várzea Grande, na Paróquia São Sebastião, e mantém uma casa de formação e noviciado. “Nós Agostinianas trabalhamos há mais de 190 anos com a missão de evangelizar jovens e crianças. Aqui em Várzea Grande formamos noviças. Futuras madres que irão trabalhar em missões religiosas em outros estados e até fora do país”, explica Irmã Mônica Beltrão.

Outro trabalho que orgulha os católicos mato-grossenses e que está exposto no 32º Vinde e Vede é a tenda da Legião de Maria. Segundo sua presidente, Evanil dos Santos Silva, “mais de mil voluntários católicos pertencem à Legião. Visitamos sistematicamente hospitais dando conforto a doente e familiares, trabalhamos com famílias que tem casos de usuários de drogas ou bebidas, realizamos campanhas e recolhemos donativos”, esclarece.

Nesta segunda-feira, a programação do 32º Vinde e Vede contou com o grande cenáculo do Movimento Sacerdotal Mariano (MSM), sob o comando do padre Laurent Larroque, representante do MSM na França. Na sequência, os andores de Nossa Senhora Aparecida, que vieram de diversas paróquias de toda baixada cuiabana e municípios de todo estado, realizaram uma grande procissão que encerrou os trabalhos do dia com missa presidida pelo Arcebispo Dom Milton Santos.

Já para o encerramento de um dos maiores eventos católicos do Centro Oeste, nesta terça-feira, 13, a programação será diferenciada de anos anteriores. As atividades começam às 10h da manhã. O dia terá três palestras, grupos de oração e louvor, espetáculos de coreografia e à noite, às 20h a Santa Missa de encerramento do 32º Vinde e Vede e o lançamento da Campanha da Fraternidade de 2018.