• Cuiabá, 15 de Dezembro - 00:00:00

Cadê


Alfredo da Mota Menezes

Em Mato Grosso alguns assuntos aparecem, fazem parte do zum-zum-zum por um tempo e, sem mais nem menos, somem da mídia e das discussões. Lá na frente voltam à tona e depois mergulham em novo esquecimento. Repito alguns deles.

Cadê o estudo sobre o chamado ICMS indireto? Falou-se que entidades do agronegócio ou gentes da UFMT iriam destrinchar esse assunto. Necas até agora. Esse estudo, se vier, mostraria que, apesar da desoneração do ICMS sobre a exportação de grãos por causa da Lei Kandir, o governo do estado arrecadaria bilhões de reais desse imposto como consequência do crescimento do econômico do estado trazido pela produção agrícola.

Tem hora que a gente acha que não querem fazê-lo porque apareceria dados que não interessariam ao governo ou ao agro. Mas as universidades poderiam fazê-lo sem tomar lado, oras.

Cadê as leis complementares da ZPE? Se falou muito nelas e até se acreditou que estavam prontas. São aquelas normas que devem ser aprovadas pela Assembleia Legislativa que ajudariam a atrair empresas para a ZPE. Isenções do ICMS sobre energia, telecomunicação e transporte, são os exemplos. Sem isso não se pode vender a ideia completa da ZPE para empreendedores.

Cadê também aquela lei no Congresso que abaixaria a cota de exportação da ZPE de 80% para 60% ou até mesmo para 50%? Isso é muito importante para ser mostrado para quem quer levar uma fábrica para lá.

Cadê as ferrovias, gente? Eram três, lembram? A dos chineses que iria para o Pacifico e cortaria MT pelo meio. A outra, Ferrogrão, entre Sinop e Miritituba. E, no auge do converseiro, desceram a serra com a Ferronorte, que está em Rondonópolis, e iria até Lucas do Rio Verde. Essa cidade deveria abrir o berreiro, receberia qualquer das três ferrovias.

Será que essa questão de ferrovia tem ligação com uma estória do passado? É que a ferrovia Noroeste chegou a Campo Grande quando MT era uno. Ferrovia naquela época sem estradas era a base de tudo e Cuiabá temeu que a capital poderia se mudar para o sul. Até hoje muitos cuiabanos sonham com uma ferrovia, ela dá até votos. A conversa sobre ferrovia faz tanto barulho que até o Riva criou uma ali no Araguaia às vésperas de um ano eleitoral. Teve muita gente acreditando.

Cadê a discussão, em dado momento acalorada, sobre novos meios para se conseguir recurso extra para a saúde? Falou-se em taxar o diesel diretamente ou através do Fethab dois. Falou-se também em sacar um pequeno percentual dos poderes. Ou ainda usar o modelo usado em outros estados frente à lei Kandir para tirar um pedacinho mais de impostos do agro. Falou-se até em voltar a loteria do estado para que todo o dinheiro arrecadado fosse para complementar o orçamento anual da saúde.

Cadê a construção do Parque Tecnológico ali ao lado da UFMT em Várzea Grande? Falou-se que havia quatro milhões de reais para essa obra e a conversa sobre o assunto também sumiu. 

 

Alfredo da Mota Menezes escreve nesta coluna semanalmente.

E-mail: pox@terra.com.br  

Site: www.alfredomenezes.com 




0 Comentários



    Ainda não há comentários.