• Cuiabá, 24 de Setembro - 00:00:00

Consciência na hora da escolha


Por Sonia Fiori

Em período próximo às eleições é ainda mais comum a circulação nas redes sociais de vídeos que questionam e até atacam a classe política. Não pela defesa da mesma, que sinceramente merece um grande puxão de orelhas pelas condutas “embaraçadas” de muitos, e não generalizando até porque esperança é a última que morre, faço uma pausa para a real importância do assunto.

É imprescindível que o cidadão compreenda a relevância, a força, e o peso de seu voto nas urnas. A consciência de que a sociedade pode mudar o rumo da nação, elegendo representantes dignos do cargo que pleiteiam, pode fazer toda diferença.

Em que pese todos os esforços da Justiça Eleitoral, a prática da irregularidade, da conduta vedada, e do crime eleitoral ainda é sintomático. E aí vamos entrar na temática da educação, ainda distante do sonho da formação pautada na qualidade do sistema público de ensino como elemento de transformação. A educação é a esperança.

Nesse cenário, começa a despontar uma evolução. O cidadão dá sinais de “estado de alerta” sobre possíveis irregularidades. A prova disso consta em relatório disponibilizado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sobre o Aplicativo Pardal. Já são 776 denúncias contra pré-candidatos, enviadas pelos eleitores através desse aplicativo. A maioria se refere a propaganda eleitoral antecipada, sendo desse total, 143 relativas à Cuiabá, e 123 em Várzea Grande.  

Isso demonstra que pretensos candidatos ao pleito municipal devem “se ligar”, ficando atentos para a urgência de seguirem à risca a legislação. É tempo de mudança e a população caminha para o despertar. É tempo de participar. É tempo de fiscalizar!