• Cuiabá, 21 de Outrubro - 00:00:00

Acordos com a Bolívia?

Dia 20 de dezembro houve encontro em Cuiabá entre autoridades da Bolívia, de MT e do MS. Na continuação, técnicos dos lados em conversação se reunirão várias vezes na primeira quinzena de janeiro. No dia 15, em Cuiabá, se terá o encontro final para definir as regras dos acordos que, se tudo der certo, deverão ser assinados num grande evento na Bolívia no dia 30 de janeiro com a presença do presidente Evo Morales.

Acordo sobre compra da ureia, por exemplo. A Bolívia produzirá por ano umas 700 mil toneladas de ureia. MT sozinho hoje já consome acima de um milhão de toneladas por ano, deve chegar logo a 1.5 milhões de toneladas. Poderíamos, se o preço for conveniente, comprar toda produção da Bolívia.

Num outro acordo, mais importante que a compra da ureia, há sinalização dos bolivianos em assinar um contrato firme para trazer gás até a termoelétrica em Cuiabá. Mas pedem sociedade na termoelétrica. Todos que conversei no estado concordam se não faltar mais gás na usina. Que serviria para a indústria no estado, incluindo a ZPE em Cáceres.

Os bolivianos querem também vender gás de cozinha (GLP) para os dois Mato Grosso. O gás no Brasil custa 30 dólares o bujão, eles vendem lá por três dólares. Com frete e impostos o gás de cozinha poderia chegar aqui com um preço 50% menor que se vende hoje. Aquela sociedade do gás se estenderia também nessa venda.

Tenho dúvidas se a Petrobras, que detém o monopólio do gás de cozinha, vai permitir essa competição. Desmoralizaria nacionalmente os preços praticados pela empresa brasileira. Se não tiver o acordo desse gás, os bolivianos recuariam do outro?

Disseram os bolivianos também que estão em tratativas com o Banco Mundial para um empréstimo de 300 milhões de dólares para asfaltar os 300 km da rodovia entre San Matias e San Inácio. Se ocorrer, MT estaria em todos os países dos Andes.

Em conversa fora do encontro oficial levantei a hipótese da estrada não sair porque Evo Morales beneficiaria seu adversário politico, o governador de Santa Cruz, Rubén Costas. Responderam que a tática do Evo agora é outra: seria conquistar eleitoralmente a região de Santa Cruz com essa obra até MT. Será mesmo?

Mais dois assuntos ali tratados. Eles topam discutir sobre violência e tráfico de drogas na fronteira. Se sair mesmo algo por aí seria outra enorme vitória deste momento. E talvez saia, até o encontro do dia 30 de janeiro, a licença boliviana para o voo entre Cuiabá e Santa Cruz de la Sierra.

Vivencio essa aproximação com os bolivianos desde muito tempo. Tinha momento que parecia que a coisa ia andar e nada acontecia. Mas, sei lá, vê-se agora algo diferente no ar. A alavanca é a enorme necessidade deles em venderem a ureia para MT. É aguardar até o dia 30 de janeiro para ver se acordos serão assinados. Rezar talvez ajude um pouco.

 

Alfredo da Mota Menezes escreve nesta coluna semanalmente.

E-mail: pox@terra.com.br  

Site: www.alfredomenezes.com



0 Comentários



    Ainda não há comentários.