• Cuiabá, 24 de Abril - 00:00:00

Fim do mundo

Nesses últimos dias dediquei alguns artigos a essa questão do governo oculto do mundo que, de certo modo, influencia todos os andamentos em cima do planeta. Nas últimas semanas surgiram mais uma vez entre tantas e tantas, boatos sobre “o fim do mundo”. Uns tratavam como a realização das tragédias descritas no livro do Apocalipse da bíblia cristã. Outros como uma sucessão de catástrofes ambientais como terremotos, vulcões, maremotos, guerra nuclear e guerras civis espalhadas pelo mundo em  razão de divergências políticas, econômicas,  étnicas e religiosas.

Tudo isso com data marcada: dia 23 de setembro de 2017.

A data passou e o mundo continuou igual. Aparentemente. Aqui cabe explicar o que houve. Ninguém que falou a respeito está de todo errado. O que houve efetivamente está dentro da minuciosa descrição do livro do Apocalipse. A questão é que o livro foi escrito por João Evangelista cerca de 95 anos depois da morte de Cristo. Bom lembrar que existem divergências sobre essas datas.

Apocalipse, ao contrário do que a maioria das religiões pregou, não significa destruição, mas revelação. Fontes espiritualistas mais modernas, menos agarradas às ideias tradicionais da bíblica cristã, asseguram que a nova vinda de Cristo não significa a sua presença física. Mas a transformação crística interna de cada pessoa como um novo padrão de energias sobre o planeta. Mas e a data de 23 de setembro de 2017?  Ela  marca um evento astronômico raro, do alinhamento numa reta, dos polentas Vênus, Marte, Mercúrio, Júpiter mais o Sol, a Lua estrela Regulus e mais cinco estrelas da constelação de Leão.

No entender desses espiritualistas que traduzem passo a passo as predições do livro do Apocalipse, o alinhamento transformou-se na abertura de um extraordinário portal de energias cósmicas que se abate de uma vez sobre o planeta Terra, mudando completamente os seus padrões de energia. E as pessoas, principalmente. O planeta deixaria a sua condição de vibrador de baixas energias para se transformar em regeneração, com energias de altíssima vibração.

A rigor, dizem os espiritualistas mais acreditados: nasce um novo mundo. Pra saciar a curiosidade desse momento: não haveria mais espaços pra anti-valores como corrupção, ambição de governos e de corporações, além da re-iluminação do ser humano. Não houve e nem haverá destruição em massa no planeta. Ao contrário, vida! Voltaremos ao assunto.

 

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

onofreribeiro@onofreribeiro.com.br  www.onofreribeiro.com.br



0 Comentários



    Ainda não há comentários.